Entenda Alergia

Qual a diferença entre alergia à proteina do leite de vaca e intolerância à lactose?

Qual a diferença entre alergia à proteina do leite de vaca e intolerância à lactose?

A alergia à proteína do leite de vaca (APLV) é uma reação do sistema imunológico às proteínas do leite, principalmente à caseína, à beta-lactoglobulina e à alfa-lactoalbumina, já a Intolerância à lactose (IL) é reflexo da má digestão da lactose, que é o açúcar do leite.

 

Alguns sintomas, como cólica, dor abdominal, diarreia e prisão de ventre são comuns às duas condições, mas é importante lembrar que a APLV ocorre, tipicamente, na infância e que a IL é mais comum em adultos. 

 

A IL tem muitas causas. A mais comum é o que chamamos de hipolactasia primária do adulto e, nesse caso, a produção da enzima que faz a digestão da lactose (a lactase) vai diminuindo progressivamente com a idade e os sintomas da IL aparecem quando a lactose não é digerida e é fermentada pelas bactérias intestinais. Outra causa da IL é a hipolactasia secundária, ou seja, quando a produção da lactase é comprometida por conta de uma doença inflamatória intestinal ou por uma doença infecciosa e, nesses casos, a IL é temporária e reversível. A APLV, inclusive, pode ser uma causa de hipolactasia secundária. Há ainda a hipolactasia congênita, que é bastante rara, traz sintomas severos e acomete bebês desde o nascimento. 

Enquanto na APLV a manifestação não depende da dose, na IL, é a quantidade de lactose consumida que determina o aparecimento e a intensidade dos sintomas, sendo assim, o tratamento da IL é sempre individualizado, devendo-se ajustar a oferta à tolerância de cada paciente. Estudos apontam que a maioria dos indivíduos com IL pode consumir cerca de 12g de lactose (240ml de leite) sem apresentar desconforto. Algumas dessas evidências indicam ainda que doses de 20 a 24g de lactose, distribuídas ao longo do dia, também podem ser toleradas. 

É importante destacar que a expressão “alergia à lactose” é errada porque, como vimos, a alergia é uma reação às proteínas do leite e não à lactose (que é o açúcar do leite). Há no mercado produtos lácteos, como queijo, iogurte e o próprio leite, sem lactose, mas portadores de APLV não devem consumi-los, já que as proteínas do leite permanecem. 

 

Para saber se o consumo de qualquer produto industrializado é seguro, sempre cheque o rótulo.

Gostou desse conteúdo?