Quando suspeitar de APLV?

 

A APLV pode ter manifestações diversas e algumas se confundem com sintomas
fisiológicos ou com outras condições.
Na tabela abaixo, descrevemos os sintomas que podem acometer os
portadores de APLV e, caso o bebê apresente um ou mais deles, o médico deve ser
consultado.

Local

Sintomas

Pele

Manchas avermelhadas, coceira, inchaço, dermatite atópica

Trato  gastrointestinal

Cólica intensa, diarreia, sangue nas fezes, constipação, assadura, refluxo, vômito, falta de apetite, ganho de peso insuficiente, dificuldade para engolir

Sistema respiratório

Coriza, obstrução nasal, broncoespasmo, chiado, dificuldade para respirar

Manifestações sistêmicas

A anafilaxia é a manifestação mais grave da alergia alimentar podendo envolver pele, sistema gastrointestinal, sistema respiratório, sistema cardiovascular e sistema nervoso. De modo geral causam lesões vermelhas e altas que coçam e vêm associadas a sintomas do aparelho respiratório (como congestão nasal, aperto no peito e falta de ar) e do trato gastrointestinal (como diarreia, náuseas, vômitos e cólicas). Sintomas cardiovasculares, como queda de pressão e tonturas também podem ocorrer. A parada cardiorrespiratória é o que chamamos de o choque anafilático.

 

Como muitos dos sinais descritos na tabela podem ter outras causas, o médico irá investigar toda a história clínica, considerar a história familiar, verificar se há necessidade de solicitar exames e se é o caso de fazer o teste de exclusão do leite, seguido de uma nova exposição, que é o teste de provocação oral. Somente com todas as etapas do diagnóstico concluídas é possível saber se o diagnóstico de APLV se confirma. 

Um dado interessante é que a estimativa de casos de alergia alimentar é sempre maior em estudos que consideram a referência do paciente ou da família, em comparação com estudos que se utilizam de métodos diagnósticos, como o teste de provocação oral e isso demonstra a importância de se fazer o acompanhamento adequado.

 

Veja como  fazer o diagnóstico